Cursos

Conselhos

AO NOVO CRIADOR
CONTROLANDO A SAÚDE DOS ANIMAIS MELHORADORES.

`Pôr W. BIRD " Empress Chinchilla Breeder Magazine"

    De tempo em tempo o novo criador necessita introduzir animais para melhoramento no seu plantél. Antes de comprar um animal para melhoramento é necessário conferir cuidadosamente a saúde do animal que está pensando comprar. A saúde do animal é de tal importância quanto suas qualidades de reprodutor.

    Para sua própria proteção, assim como para a do criador, siga cuidadosamente este conjunto de verificações necessárias para determinar a saúde de um animal.

    Revise o aspecto geral do animal dentro da sua gaiola. Esta o animal alerta e se mexe com rapidez e agilidade normais?, ou ele se mexe lentamente e de uma maneira estranha Os olhos devem ser claros e brilhantes. Se estão fechados parcialmente ou apagados é necessário uma revisão adicional. A pele tem o resplendor , brilho e beleza de um animal sadio , ou está a pele e o pelo secos e com aspecto triste?

    O animal que come pelo, de nenhuma maneira, pode ser considerado com ligeireza. Esta é uma condição de saúde deficiente e poderiam existir até vinte ou mais razões diferentes, ou combinações de razões, pelas quais um animal come seu pelo. Que seja tanto uma razão genética ou uma condição de saúde não tem importância. Você não tem o tempo e recursos necessários como para introduzir um animal que come o pelo em seu plantél. Terá as conseqüências nos filhos desse animal.

    Controle os olhos dos animais que apareçam com zonas sem pelo ou úmidas ao redor dos mesmos. Isto é causado pôr lágrimas que molham o pelo e fazem aparecer uma zona com falhas de pêlos. Este sintoma pode aparecer por problemas de dentes ou problemas de olhos. Se for um problema de olhos estes provavelmente estarão avermelhados e mostrarão sintomas de infecção com resíduos nos seus bordes. (Para maiores informações sobre problemas de dentes ver os comentários sobre problemas na boca).

    Revise a boca e os dentes para controlar se existe um aspecto molhado de saliva, no qual poderia indicar um caso avançado de mal oclusão dentária. Também poderia indicar que tenham alfafa ou ração travados entre os dentes ou alojados nas bochechas ou debaixo da língua do animal.

    Os dentes de uma chinchila adulta devem ser de cor alaranjada ou amarelo alaranjada. Não devem ser brancos. Isto indica falta de vitamina A na dieta , ou pode ser uma falta de absorção de nutrientes nos intestinos. Os animais saudaveis necessitam uma boa nutrição, de maneira que você não deverá introduzir jamais no seu plantél um animal com problemas desse tipo.

    Verifique a mal oclusão mantendo separados os lábios do animal e observando os pares de incisivos superiores e inferiores. Confira se eles se encontram uns com os outros em uma linha reta horizontal ou se estão inclinados ou curvos. Se estiverem inclinados ou curvos existe um problema de mal oclusão.

    Na seqüência apalpe pôr cima e pôr baixo de ambos os maxilares buscando anomalias ou saliênças no queijo. Esto poderá indicar problemas nos molares, quando as raízes dos molares cresceram demais tanto no maxilar inferior ou nas cavidades oculares, configurando olhos lacrimejantes. Os ossos dos maxilares de uma chinchila saudável são suaves, parelhos e livres de anomalias ou saliências.

    Revise a nariz para ver se esta molhada ou se tem alguma secreção que possa indicar problemas respiratórios. Uma nariz molhada pode ser saudável para um cachorro, mas na chinchila pode ser outro sintoma de problemas dentários. Quando o animal esta quieto e relaxado deverá respirar uniformemente e serenamente, ao menos que recentemente tenha estado correndo ou movimentando-se muito e rápido. Uma respiração rápida ou irregular pode ser uma indicação de problemas respiratórios.

    Controle por indícios de nervosismo. Se um animal é muito nervoso talvez você não queira Ter esta característica na sua criação. O animal calmo é mais fácil de se manejar e melhor reprodutor. Tente conseguir um plantél calmo e cheio de chinchilas saudáveis.

    Revise a vagina de todas as fêmeas. Separe cuidadosamente os lábios da vagina. Se aparecer alguma descarga que não seja incolor, fluente como a água (o qual indica o período do cio), a fêmea pode ter uma variedade de problemas. Uma mucosidade branca, geralmente semi sólida , indica uma falta de vitamina A e pode ocasionar falta de reprodução.

    Revise os testículos de todos os machos para conhecer o seu tamanho e sua qualidade. Mantenha o animal debaixo de seu braço e apalpe para conhecer melhor o tamanho de cada testículo. Devem ser grandes para Ter uma boa reprodução. Se são muitos pequenos podem não produzir suficientemente sêmen para servir 6 a 8 fêmeas em reprodução, e sua produção pode ver-se comprometida. Alguns machos tem só 1 testículo, e em raras ocasiões podem não ter nenhum. Estas condições devem evitar-se porque podem indicar infertilidade.

    Revise os excrementos, se for possível. Os excrementos normais são geralmente cilíndricos com extremidades ligeiramente arredondadas, levemente gorduchos e relativamente lisos e firmes, mas não secos. O tamanho dos excrementos variara de acordo a idade , tamanho de cada animal, alimentação fornecida e, para as fêmeas, se estão prenhes ou lactando. A cor variará segundo o tipo de ração, alfafa ou outros suplementos que se esteja dando. A constipação faz com que as fezes se tornem pequenas, compridas e finas, com forma de bola, forma de banana, forma de gancho ou qualquer outra forma estranha, duras , secas e com oyuelos como os produzidos pela varíula, em lugar de serem lisas. As fezes com mucosidade ou borbulhentas de gazes são sintomas de problema nos intestinos e deve investigar-se. As fezes sem forma podem ser moles, originaria de uma diarréia, e devem também ser causa de suspeita e posteriores investigações.

    Revise a gordura amarela, o que não é tão comum atualmente como no passado, mas ainda se encontram em alguns animais. Evite qualquer coloração amarela na orelhas que apareçam em lugar da coloração rosada normal. Sopre a pele e observe o couro assim como a densidade e textura. A zona do anus pode estar tingida de amarelo. Esta condição geralmente é genética, mas também pode ser indicio de uma grande quantidade de milho na alimentação.

    A determinação final será feita depois de se revisar individualmente cada característica e pela observação cuidadosa do animal no seu conjunto. Com a prática e um número suficiente de combinações o criador se tornará rapidamente competente e capaz de detectar a maioria dos indícios que indiquem problemas, antes de comprar um animal melhorador.

    COMO CHEGAMOS A LINHAGEM "PELAGEM DENSA EXTRA DARK BLUE"

PROGRAMA DE CRIAÇÃO ACENTUA A IMPORTÂNCIA DE REGISTROS E ANÁLISES DOS REPRODUTORES.

    15 de abril assinala o inicio do ano de criação, no nosso criatório. Esta é a época em que colocamos os machos com as fêmeas, para começar, materialmente, nosso programa de criação.

    Os novos machos são sempre iniciados com 2 ou 3 fêmeas. Se, dentro de 3 meses, não houver sinais de acasalamento ( Pelos soltos na gaiola, stopper ou fêmea prenhe), o macho colocado é substituído por outro já provado.

    Quando as fêmeas começam a parir ( por volta de meados de agosto) realizamos a "cópula pós parto" ( O corredor do macho e deixado aberto até 72 horas após o parto ). Todas nossas fêmeas são fecundadas após o parto, menos as que pariram 4 ou mais filhotes.

    Quando os filhotes são desmamados ( após 6 ou 8 semanas), abrimos novamente o corredor para entrada do macho, mesmo que achemos que a fêmea está prenhe. Nas ninhadas de 4 ou mais filhotes, desmamamos com 6 semanas os mais fortes e deixamos os restantes para desmama-los com 8 semanas.

    Quando podemos ter certeza pela segunda vez, de que a fêmea está prenhe, fechamos a entrada do macho, impedindo assim nova re-fecundação.

    15 de fevereiro, todos os machos são mudados para gaiolas de crescimento ou peles, menos os machos Black e Standard extra selecionados durante os últimos 4 anos que são mantidos em procriação o ano todo.

    Em janeiro e fevereiro, todos os filhotes tem 5 meses ou mais, e são graduados. A graduação é registrada nas fichas de avaliação de progênie. Temos uma ficha de avaliação para cada macho ou fêmea do plantel de reprodutores.

    Março – Analisamos, tão acuradamente quanto possível, os resultados do ano:

  • Número de crias por fêmea.
  • Índice de mortalidade

    - nossa culpa?- culpa dos animais ? - outras causas ?

  • Percentuais de cópulas pós parto ocorridas.
  • Índice de prolificidade de cada macho com cada uma das suas fêmeas.
  • Qualidade media global da safra deste ano, em comparação com as dos anos anteriores.
  • Qualidade média de linhagens específicas que procuramos reunir por procriação linear ou procriação consangüínea.

PLANEJAMENTO

    Com os dados colhidos em março vamos analisar criteriosamente 03 pontos fundamentais :

PLANTEL MACHOS FEMEAS

DO PLANTEL

    Agora dispomos de informações suficientes para traçar planos de melhoria do plantel, para o novo ano de criação que se inicia novamente em abril. Para isso:

    1º ) Examinamos os registros das fêmeas que vem procriando há pelo menos 2 anos. Se, naquela safra, alguma não houver produzido no mínimo 3 crias (vivas), é excluída do plantel.

    2º ) Analisamos todos os machos reprodutores para verificar quão rapidamente fecundaram suas fêmeas e qual a percentagem de re-fecundações que efetivamente realizaram.

    Depois dessa análise completa dos reprodutores e expurgo dos que se mostraram fracos, selecionamos, dentre os animais novos, fêmeas para substituição. Estas são escolhidas com base no # FENÓTIPO ( graduação ótica) e # GENÓTIPO ( pedigree do Registro Genealógico da ACHILA dos ancestrais e avaliação dos mesmos )

DOS MACHOS

    Poucos machos são aproveitados.

    Os machos são selecionados com base no:

  • registros de produção e temperamento. (admitimos que um macho mate uma fêmea em cada período de 3 anos )
  • Sua influencia na qualidade média geral das crias naquela safra, é também muito importante. Todo macho novo colocado em reprodução tem a obrigação de produzir como mínimo dois animais com características de qualidade igual ou melhor que as dele. Caso contrario e substituído ( Expurgamos de 20% a 50% dos machos até então em atividade)
  • Examinamos cuidadosamente os melhores 2% ( pelo fenotipo ) de nossos machos novos, analisando-os quanto ao fenótipo, genótipo e possível utilidade no próximo ano.

    De modo geral, de cada 200 machos nascidos, selecionamos de 3 a 6.

DAS FÊMEAS

    Passamos, então, a relacionar as melhores fêmeas reprodutoras ( as já em atividade e as novas, de substituição) numa extensa folha de papel.

    Adiante do número de cada fêmea assinalamos seu grau e antecedentes. ( Usamos círculos coloridos para indicação dos antecedentes ).

    Confeccionamos outra folha, que consiste mais ou menos de fileiras de quadros em branco. O número de um macho é colocado em cada quadro e decidimos quantas e quais fêmeas colocaremos com cada macho para a almejada consecução do plano de criação estabelecido.

REGRA PRÁTICA:

  • Com machos novos, ainda não provados - 2 ou 3 fêmeas
  • Com machos provados durante 01 ano - 6 a 8 fêmeas
  • Com machos provados durante 02 anos - 10 a 14 fêmeas

    Ao selecionar as fêmeas para cada macho, primeiro determinamos as principais fraquezas do rebanho. Então, escolhemos fêmeas boas naqueles aspectos e as acasalamos com machos de características semelhantes, anotando seus números nos quadros seguintes ao do número do macho

    VANTAGENS

    Este programa de criação apresenta, a meu ver, as seguintes vantagens:

    Registro anual de qualidade.

    Cada uma de nossas duas safras é aproximadamente da mesma idade. Crias da mesma idade são muito mais fáceis de maturar e esfolar.

    As fêmeas de substituição, introduzidas no plantel, são aproximadamente da mesma idade.

    A eliminação dos machos e fêmeas indesejáveis fica mais simplificada.

    Podemos combinar as teorias de "consangüinidade" e "melhores com os melhores".

    Podemos expurgar por aptidão.

    A criação de filhotes afastados das mães por falta de leite não apresenta problemas; sempre há fêmeas lactantes disponíveis.

    Nosso trabalho pode ser programado em forma sazonal.

    Expurgando os machos indesejáveis em fevereiro, os 20% a 50% que caem fora podem ser esfolados com certeza durante o inverno.

    Nossas fêmeas boas reprodutoras tem um descanso de dois meses. Acreditamos que, num período de três anos, obtemos mais crias por fêmea ao procriar por ciclos.

    Os filhotes são mais sadios e fortes, com baixo índice de mortalidade ( 7%).

    Em nossa unidade de esfola podemos processar, em número de animais, o dobro de sua capacidade.

    Aproveitamos a temperatura da estação ( esfolamos durante o inverno – criamos os filhotes nos meses mais quentes do ano.)

    Podemos desmamar os filhotes colocando-os diretamente na unidade de criação para peles, eliminando assim uma gaiola intermediária ( isso diminui a possibilidade de manchas produzidas pela gaiola, e parece acelerar o ritmo de crescimento).

CONCLUÇÃO Para pensar

    No ano retrasado tive o honor de compartir com a presidente da Associação Mexicana de Criadores de Chinchilas e ex presidente do Chinchilla Industry Counsil de USA , Sra. Patrícia Perrin de Sullivan uma palestra por nos dada em Santa Maria R.S. e algo que ela comentou durante a mesma deve ser por nos analisado: Ela deixou bem claro que não toma sua criação de chinchilas como um Hobby e sim como uma industria. Considera cada uma de suas gaiolas, uma máquina destinada a produção. Cada gaiola vazia é equivalente a uma máquina parada.

    Ao entrarem no criatório analisem e contem quantas gaiolas estão sem fêmeas e verão que praticamente de 10 a 30 % estão vazias e por conseguinte sem produzir. Quer dizer que vocês terão de 10 a 30 % menos peles no próximo ano.

EXEMPLO:

    200 GAIOLAS – 20 % = (-) 40 GAIOLAS/MATRIZES

    40 GAIOLAS/MATRIZES X 3 FILHOTES/ANO = 120 ANIMAIS

    120 ANIMAIS = 120 PELES X US$ 30 = (+) US$ 3.600

    Podemos dividir ou multiplicar pelo tamanho do criatório de vocês.

    Eu particularmente tenho 1.180 gaiolas/matrizes e de acordo a esta equação deixaria de produzir em torno de 600 peles/ano ou US$ 18.000.