Cursos

01/01/2008 - Vitaminas - A sua importância na Chinchila

 

    AS VITAMINAS E SUA IMPORTÂNCIA NAS CHINCHILAS

 

As vitaminas são substâncias que asseguram as condições ideias para o desenvolmento e manutenção da suade do animal. Algumas são necessárias em menor grau, embora praticamente todas sejam consideradas essenciais, pois a ausência eventual ou permanente de qualquer delas determinará inúmeros distúrbios ou doenças denominadas AVITAMINOSES.

 

Normalmente, o organismo animal não consegue sintetizar por si mesmo estas substâncias naturais biológicas, pelo que é necessário ministrá-las na dieta alimentar.

 

As chinchilas selvagens encontravam estas vitaminas na própria natureza, pois se alimentavam de verdes frescos que não perdiam estes nutrientes.  As chinchilas em cativeiro, ao contrario, que recebem a alfafa já fenada ou em cubos fabricados a temperaturas acima de 200oC não conseguem se abastecer totalmente da maioria das vitaminas, pois elas se perdem durante o processo de fenado ou fabricação.  Algumas das vitaminas se perdem em até 100%.

 

Cada vitamina desempenha funções especiais, que nenhuma das outras pode suprir.  Todas a vitaminas, sem exceção, utilizadas em nutrição animal são produzidas industrialmente, mediante processos químicos e microbiológicos.  As vitaminas produzidas industrialmente se equiparam perfeitamente com as naturais e surtem um efeito similar sendo que em algumas ocasiões, até maior.

 

Quando adquirimos estas vitaminas sintéticas em pó, na embalagem constam as unidades de medidas que estabelecem a quantidade que devemos fornecer para cada animal dependendo do seu peso.  No caso das chinchilas, a quantidade a fornecer do suplemento vitamínico é equivalente à metade da quantidade necessária para 1 kg. (o peso médio de uma chinchila adulta é de 500 gramas).

 

Para as vitaminas A e D3 as quantidades se expressam em Unidades Internacionais (UI).  Para as vitaminas E, K3, C e o complexo B em mg. A vitamina B12 e biotina se medem em mc.

 

As vitaminas sempre existiram mais foram descobertas em 1912 durante experimentos realizados sobre alimentação.  Elas estão em maior ou menor quantidade, em todos os alimentos naturais, na forma de provitaminas, isto é , substâncias que irão se transformar em vitaminas após a ingestão.  Dessa maneira, a vitamina D forma-se ao nível da pele do animal que ingeriu a provitamina (ergosterol) quando submetido à ação dos raios ultravioletas da luz solar.  O caroteno é a provitamina da vitamina A.  Esta substância básica encontra-se em quase todas as folhas verdes das plantas, em maior ou menor quantidade, e transforma-se em vitamina A nas paredes do intestino delgado do animal.  Daí a importância da alfafa e almeirão verde na alimentação da chinchila.

 

As carências vitamínicas ou avitaminoses ocorrem principalmente em animais confinados, isto é, mantidos presos, como a chinchila, e que ingerem rações deficientes, sem verde ou volumosos na alimentação, e recebem pouca ou nenhuma luz solar.  É por isso que se aconselha aos criadores dar uma alimentação fresca e controlada as chinchilas e manter os criatórios com alguma entrada de luz solar, preferentemente de manhã quando os raios solares ainda não esquentam.  Alem desses fatores capazes de determinar carência vitamínica existe um grupo de substâncias, os das anti-vitaminas, que se opõem à ação das vitaminas destruindo-as ou inativando-as.

 

Assim as sulfamidas, impedindo o crescimento e produção de certas bactérias que realizam a síntese vitamínica, funcionam como verdadeiras anti-vitaminas.  Devido ao seu papel bactericida, as sulfamidas impedem no intestino a multiplicação de bactérias que sintetizam as vitaminas do complexo B e a vitamina K. O criador deve ter muito cuidado ao usar remédios a base de sulfamidas nos tratamentos das doenças da chinchila. (ex. giárdias). Quando da necessidade deste tratamento deve-se sempre consultar a Achila ou um Médico Veterinário.

 

VITAMINA  A

 

Esta vitamina e indispensável ao crescimento e a reprodução e exerce acentuada ação protetora das membranas mucosas do organismo, a fim de que posam resistir as infecções e na conservação do tecido nervoso.  A vitamina A encontra-se espalhada na natureza em forma de provitamina, o beta-caroteno.

 

A avitaminose da vitamina A ocorre principalmente nos animais novos, em crescimento.  Essa deficiência e freqüentemente encontrada nos criatórios quando falta o verde na dieta.  O primeiro sintoma da carência dessa vitamina provoca na chinchila ressecamento da córnea e da conjuntiva; os olhos dos animais tornam-se opacos e a córnea as vezes ulcerada; baixo índice de reprodução, ocorrendo retardamento maturidade sexual.  As fêmeas com esta carência abortam com maior facilidade.

 

Os animais tornam-se mais predispostos a doenças parasitárias e infecciosas, havendo também atraso de crescimento.

 

VITAMINAS DO COMPLEXO B

 

As vitaminas do complexo B constituem um grupo muito importante.  Algumas delas estão amplamente distribuídas nos alimentos comuns da chinchila (grãos e cereais).  Deve-se evitar o uso de alimentos velhos ou sem conhecimento da data de fabricação no caso dos pellets, devido a presença de fungos os quais produzem a tiaminase, enzima que desdobra a tiamina, tornando-a inassimilável pelo animal.

 

A vitamina B12 é indispensável para o metabolismo das proteínas e a formação de vários aminoácidos.

 

A  vitamina   B6 desempenha uma importante função no metabolismo das proteínas, dos ácidos grassos e hidratos de carbono.

 

A falta de vitamina B2 tem como conseqüência o retardamento do crescimento, má assimilação de nutrientes e processos diarréicos. 

 

A carência de vitamina B1 provoca na chinchila abatimento, perda de apetite e algumas vezes transtornos no sistema nervoso.

 

A carência dessa vitamina nos casos severos determina na chinchila tremores musculares, particularmente na cabeça, salivação, cegueira e, em alguns casos, convulsões.  O tratamento principal consiste em dar alimentos com verdes, complemento alimentar de cereais, farinha de carne e torta oleaginosa.

 

 

VITAMINA C

 

A vitamina C e essencial ao metabolismo de todas as espécies.  Ela e encontrada fartamente nos frutos frescos e vegetais. A avitaminose é rara na chinchila, pois essa vitamina existe em quase todos componentes da ração e pode ser sintetizada no organismo do animal a partir de outras substâncias.  A necessidade de vitamina C aumenta durante a prenhes, lactação e após as doenças infecciosas do aparelho respiratório.  Os sintomas são enfraquecimento geral e impotência.  Como tratamento profilático (para os criadores que usam somente pellets) deve-se adicionar a ração, cereais germinados, frutas cítricas e leite.

 

VITAMINA D

 

A vitamina D regula o aproveitamento do cálcio e do fósforo pelo organismo, facilita a absorção intestinal desses minerais e controla sua disposição contra as infecções em geral.  Há duas formas principais de vitamina D; a vitamina D3 natural e a vitamina D2 (ergosterol irradiado ou calciferol de ação terapêutica idêntica a D3).  A vitamina D2 existe nos pastos novos, legumes e alfafa, na forma de provitaminas, que se transformam em vitaminas ao nível da pele dos animais sob ação dos raios ultravioletas (solares ou artificiais).  A vitamina D3 existe principalmente nos óleos de peixe e de fígado de bacalhau.  As necessidades de vitamina D por parte das chinchilas são maiores na época de crescimento, em que os esqueletos se estão desenvolvendo.  Os animais adultos necessitam de quantidades bem menores, mas, durante a prenhes e lactação, as fêmeas precisam de maiores quantidades.  A carência determina raquitismo e ostomalacia (amolecimento dos ossos).

 

VITAMINA E

 

A vitamina E tem ação especifica sobre o aparelho reprodutor; sua ausência ou deficiência provoca, nos machos, esterilidade, e nas fêmeas, abortos.  Encontra-se principalmente nas folhas verdes de plantas, feno de alfafa, milho, trigo e soja.  Nas plantas encontra-se na forma de provitaminas.

Os danos orgânicos provocados pela ausência da vitamina E são irreversíveis e não podem ser sanados posteriormente mediante o aumento da dose. O criador deve controlar seriamente a falta dessa vitamina.

 

VITAMINA K

 

A ausência da vitamina K acarreta o aparecimento de hemorragias na pele, músculos e mucosa intestinal de alguns animais.  A falta desta vitamina é muito rara na chinchila.  Ela é sintetizada nos intestinos, é devido ao comprimento do mesmo, os animais sintetizam maior ou menor vitamina K.

 

Nas aves, por exemplo, a sintetização da vitamina K é de um teor baixo, pois seus intestinos são muito curtos.  A chinchila ao contrário das aves, não sofre normalmente desta avitaminose em conseqüência do grande comprimento do seu intestino, a não ser se o animal está  atacado por alguma enfermidade  parasitária.

 

Uma chinchila bem alimentada será menos propensa a doenças, sua capacidade reprodutiva aumentará e seus filhotes nascerão fortes e serão bem alimentados pelas mães.  Tenho visto criadores com uma média de partos muito baixa e uma mortalidade de filhotes muito alta que mudaram o sistema de alimentação e em pouco tempo lograram reverter este quadro, com o aumento de partos e filhotes vivos em até 100%.

 

A Cabanha Master Chinchila pretende, com este artigo, esclarecer os criadores da importância de uma boa alimentação.  Em um boletim anterior já prevenimos os criadores das “fórmulas milagrosas” e rações fabricadas para outros animais como cavalos e coelhos. Muitos criadores estão fracassando por este motivo.

 

As chinchilas não podem ser alimentadas só com qualquer pellet e alfafa.  Ela necessita de uma alimentação balanceada e fresca na qual encontrará todas a vitaminas que seu organismo sintetizará

 

 

CARLOS LUIS PEREZ

 

Para voltar ao menú clique aqui

http://www.chinchilla.com.br/index.asp