Cursos

16/01/2009 - DESTAQUE:A PELE PRETA

Muitos criadores desejam adquirir um macho preto na esperança de escurecer seu plantel de animais standard.     

Antes de se falar qualquer coisa a respeito da bela e valiosa mutação preta, vamos dar um importante esclarecimento neste momento oportuno: embora pretos, nem todos os animais pretos podem ser considerados da mutação preta.  Temos que saber distinguí-los da seguinte maneira:

       

  1. há o preto propriamente dito – aquele cujo pelo preto não mostra a banda branca quando soprado;
  2. há o “preto-standard” que os americanos chamam de “standard-black ”.  Fenotipicamente, ele é preto como o outro, mas, quando se sopra o seu pelo percebe-se a banda branca.

       

Em ambos os casos estão presentes o gene da mutação negra e este é dominante.  Assim, cruzando-se um preto com uma fêmea Standard poderemos esperar 50% de preto e 50% de Standard.  O filhote que a partir desse cruzamento nascer Standard é Standard mesmo e não portador porque ele carrega o gene da mutação negra.  Se carregasse, mostraria o negro em sua pelagem já que este é dominante.

       

Na prática desse sistema de cruzamento de preto com Standard, verifica-se que essa percentagem tende a cair, isto é, não chega a ser exatamente de 50%.  Acredita-se que essa queda é devida ao fato de não selecionarmos adequadamente as fêmeas de cor Standard o mais escura possível e de qualidade superior para cruzar com preto.

       

Se cruzarmos preto com preto, a proporção normal seria de 50% de preto heterozigoto, 25% de “preto-standard” (Standard-Black) e 25% de preto homozigoto.  Como o homozigoto não é produzido, o resultado é 25% de fator letal e essa proporção nas nasce.

       

Adquirir macho preto para automaticamente produzir-se filhotes standard mais escuros não funciona pela regra geral.  Devemos conhecer certas minúcias que até agora não estavam ao alcance de muitos criadores.  Assim, por exemplo, a prole “preta-standard” (standard-black) resultante de um cruzamento de macho standard com fêmea preta poderá ser de cor mais clara que o progenitor standard.  Da mesma forma, a prole nascida negra desse cruzamento poderia ser muito mais negra que a progenitora preta se tivéssemos escolhido para essa cobertura um macho standard escuro que tivesse o velamento negro.

       

A lição que isso nos ensina é a seguinte: “nunca devemos cruzar os extremos”, isto é, um animal extra-extra-escuro com um animal claro.  Essa é uma grande verdade que se esclarece informando que a mutação negra é uma mutação conseguida na criação racional e não uma mutação que tenha aparecido de repente e já completa (como o branco, bege, charcoal, etc.).  Quando ela surgiu, na década de 50, muitos criadores e mesmo alguns geneticistas acreditavam que, gradualmente, perder-se-ia esse fator mutante da mesma forma como foi desenvolvido.  As dúvidas deixaram de existir quando todos os pormenores foram revelados: primeiramente que o preto não é um recessivo e, segundo, que, para consegui-lo não foram feitos os cruzamentos de linhagem.  Para se chegar ao ponto atual, foram feitos somente cruzamentos fora da linhagem.

       

Concordamos que o criador pode perder as qualidades desejadas dessa mutação se passar a fazer cruzamentos inadequados como, por exemplo, usar animais standard de cor clara e com pouca cobertura de véu.

       

Então, qual é o tipo de chinchila standard que deve ser usado com mutação negra?

       

O sucesso de qualquer criador que compra macho negro para usar em sua criação vai depender somente do tipo de animal selecionado para usar com o preto.  O criador esta obtendo um animal que carrega o gene preto para produzir filhos pretos.  A cor preta dos produtos ou a boa qualidade da pele desses produtos pretos vão depender necessariamente da qualidade e tipo do animal standard cruzado com o preto.

       

Para explicar melhor este ponto, convém dizer como foi que apareceu a mutação preta.

       

Todo começou com um pequeno anel preto que apareceu em volta dos olhos e do nariz de uma fêmea.  Não era isso uma mutação completa e definitiva.  Essa fêmea passou a ser coberta pelos melhores machos daquela criação, inclusive por seu pai, todos eles standard muito escuros e com cobertura de véu negro.  Deu sorte, porque na criação em que ela surgiu havia muitos animais para se trabalhar e todos com velamento negro e não azul.

       

Descobriu-se, então, que o velamento negro em animais standard é muito melhor para se usar com a mutação negra.  Mantendo-se esse esquema de trabalho, o negro foi dominando todo o corpo dos filhotes e a qualidade da mutação foi subindo sem prejuízo da barriga branca que foi conservada.  Isso levou muitos anos de incansável trabalho.

       

A qualidade desta linda e procurada mutação preta poderá declinar rapidamente e mais depressa do que subiu se animais standard de baixa qualidade forem usados num programa de cruzamentos.

       

Estamos enfatizando esse ponto importante porque sabemos que alguns criadores estão mais interessados no número de proles do que na qualidade dos produtos e ficarão desapontados com os resultados.  Para se trabalhar com pretos deve-se usar o que de melhor houver em matéria de standard, a saber:

 

  1. Melhor qualidade de pele possível;
  2. Deve ter completa cobertura de véu;
  3. Deve ser o mais escuro possível, na pior das hipóteses, no mínimo de médio escuro para escuro;
  4. O velamento negro é preferível ao azul (preto-standard ou standard-black);
  5. O animal que tiver a cor um pouco embotada mas apresentar o velamento negro pode servir muito bem uma vez que a falta de brilho na cor é eliminada na prole preta;
  6. Animais extremamente escuros que apresentem ligeiros “redemoinhos” ou “grotzens” podem ser usados nos cruzamentos com negros.  A prole negra dificilmente mostra qualquer herança de redemoinhos do progenitor standard; já a prole preta-standard (standard-black) poderá surgir com este defeito e deverá ser eliminada;
  7. Uma longa linha de ancestrais escuros de qualquer standard cruzado com preto é sempre desejável.  Uma longa linha de animais claros com apenas alguns escuros como ancestrais é menos desejável;
  8. Quanto mais clara a cor e mais azul o velamento das standards cruzados aos pretos, menos desejáveis são os resultados já que o percentual de preto vai descendo gradativamente até voltar a aparecer apenas no nariz e ao redor dos olhos;
  9. Mesmo o negro que só mostra a mutação no nariz e nos olhos é capaz de produzir um negro tão escuro quanto o mais negro que temos desde que seja cruzado com o standard adequado;
  10. A melhor mutação negra é conseguida cruzando-se fêmeas pretas com machos   preto-standard (standard-black) nitidamente escuros;
  11. O cruzamento de negro com negro leva-nos a uma reprodução muito vagarosa;
  12. A prática indica que macho preto com fêmea standard produz muitos partos de um só filhote e que macho standard com fêmeas pretas a produção e mais rápida e os filhotes nascem em maior número.

A mutação negra é facilmente reconhecível assim que os filhotes secam após o nascimento.  Se tiverem o gene mutante, apresentarão uma área negra na cabeça.  A quantidade de negro que aparece nela revela a cor que o animal terá quando adulto.  Por exemplo: o negro claro somente mostrará o negro em volta do nariz e levemente ao redor dos olhos, enquanto que o negro escuro apresentará a cabeça quase totalmente negra.

 

O corpo do filhote não revela ainda a cor da mutação, mas a tonalidade da cor do corpo já pode ser uma indicação segura.  Se os pêlos do corpo forem claros como um standard, muito provavelmente ele será um negro claro, enquanto que se os pêlos se apresentarem realmente escuros ele será um negro escuro.

 

O pelo da mutação negra somente irá aparecer no corpo do jovem animal quando ele atingir a maturidade por volta dos 6 meses de idade.

 

Um outro lugar para se procurar pontos escuros nos filhotes é a parte de cima e de fora das patinhas da frente.  Se essa área for realmente escura é indício certo de que o animal será negro escuro e qualquer grau menor de negro nessa área indica um negro um pouco mais claro.

 

Ainda um fato interessante: após alguns dias do nascimento os filhotes negros começam um processo de clareamento que só vai se modificar no início da maturidade.

Para voltar ao menú clique aqui

http://www.chinchilla.com.br/index.asp