Cursos

01/01/2008 - Cuidado com as rações!

CUIDADO COM AS RAÇÕES!

Em virtude de termos observado que diversos criadores mal orientados estão substituindo a ração específica para Chinchila por rações totalmente inadequadas, tais como ração de coelho, ração de cavalos ou ração de chinchilas de estimação sem data de fabricação e vencimento ou produzidas por fabricantes sem registrado no Ministério da Agricultura, e para que isso não transforme sua criação a ZERO, chamamos a atenção do criador para  tomar urgente as seguintes providências:

Verifique com toda segurança a procedência da ração que está sendo ministrada aos seus animais;

Informe-se sobre a localização (endereço e telefone) da fábrica que elabora a ração que você está adquirindo ou consulte a Achila;

Certifique-se de que a composição da ração é nutritiva e não causará distúrbios no organismo de seus animais.

Cuidado com a alegação de que a chinchila consome qualquer ração.  Pode ser que você encontre uma ração mais barata, mas, no fim das contas vai lhe sair muito caro, pois seu plantel de chinchilas estará seriamente danificado.

 

Apresentamos a seguir uma abordagem dos aspectos principais no que diz respeito à alimentação correta da chinchila, seu princípio nutritivo e a real necessidade alimentícia.

 

ALIMENTAÇÃO

 

As chinchilas são animais essencialmente herbívoros. Sua alimentação em cativeiro compõe-se principalmente de alfafa seca e de uma ração balanceada (peletizada).

 

Antes de entrarmos em pormenores podemos dizer, que as chinchilas recebem uma ração diária composta de:

 

  1. Um punhado de alfafa seca.
  2. 20 gramas de ração balanceada composta basicamente de soja, aveia, germe de trigo, açúcar, cevada, amido, complemento vitamínico, etc.

Na água podemos adicionar 1 cm3 para cada litro colocado no recipiente distribuidor dos bicos automáticos ou garrafas, de um complexo vitamínico (Consulte o departamento técnico de sua associação para se certificar de qual é o mais indicado).

 

Devemos ministrar as chinchilas, três vezes por semana uma mistura de cereais com vitaminas em pó e sais minerais, especialmente as fêmeas em reprodução (adquira na loja da Achila este suplemento).

 

Não devemos considerar isto como alimento básico e sim como complementar. Podemos fornecê-lo a noite  que é quando as chinchilas estão mais dispostas e animadas.

 

A alimentação deve ser dada de preferência  pela manha e completada quando necessário, pois durante o dia as chinchilas repousam, não precisando de cuidados.

 

PRINCÍPIOS   NUTRITIVOS    DO  ALIMENTO

 

Quando pretendemos conseguir bons resultados não somente com chinchilas, mas com qualquer espécie de animal com vistas a industrialização, devemos ter os seguintes cuidados fundamentais:

  • Alimentação
  • Seleção
  • Ambientação

Quando estes 3 aspectos não são devidamente considerados em conjunto, os resultados conseguidos não podem ser satisfatórios.

 

Em toda criação comercial a alimentação ocupa um fator de máxima importância.

 

Basicamente não devemos dar alimentos verdes embora as chinchilas sejam animais herbívoros.

 

Como elementos básicos da nutrição consideramos aqueles de que o corpo necessita para desenvolver as suas funções vitais.

 

Em primeiro lugar temos o ar, o oxigênio, pois ele é o elemento indispensável à vida.

 

NECESSIDADES NUTRITIVAS DA CHINCHILA

 

A chinchila necessita de uma ração balanceada de proteínas, gordura, hidrocarbonetos, fibras naturais, vitaminas e sais minerais.

 

As proteínas são combinações azotadas que sob ação de determinada enzima se decompõem  em aminoácidos.  Mas importante que a quantidade, é o tipo de proteína contida no alimento.

 

10 tipos de aminoácidos entram na composição: Arginina, Isoleuicina, Lisina, Metionina, Fenilalanina, Treonina, Triptofeno e Valina.

 

Estes se supõem serem de grande importância para a chinchila.

 

O aminoácido mais importante é o Metionina que contem enxofre, que é de grande importância para o corpo do animal, pois evita o acúmulo de gordura no fígado das Chinchilas, o que é comum, garantindo a correta distribuição das gorduras.

 

Como a Metionina é encontrada no pelo da Chinchila em grande quantidade, ela é importante para o bom estado do pelo do animal evitando que o animal roa o pelo.

 

Excesso de proteínas é transformado em energia.  A quantidade de proteínas na ração deverá ser no mínimo de 17%.

 

Há também alguns tipos de gordura que na digestão  fornecem diferentes ácidos graxos. Quimicamente os ácidos graxos são divididos em 2 grupos: os Saturados e os Insaturados.

 

Os Saturados não nos são interessantes, pois podem ser produzidos no organismo do animal.

 

Os Insaturados como o ácido linóeico e o ácido araquidônico são indispensáveis e devem ser adicionados à ração, pois não são produzidos pelo organismo.

 

Estes são encontrados somente em algumas gorduras animais e vegetais como o milho, a soja e o arroz.

 

Gordura é uma forma de energia mais concentrada que o açúcar.

 

As gorduras ajudam na absorção da vitamina A.

 

Hidrocarbonatos são substâncias como o açúcar, amido e celulose.

 

O açúcar e o amido são digeridos com relativa facilidade, ao passo que a celulose é digerida por ação de bactérias no apêndice e outras no intestino delgado.

 

A maioria das plantas e dos cereais é constituída de 80% de hidrocarbonetos, que são a fonte principal de produção de gordura e armazenamento de energia.  Pela multiplicidade de funções destas diferentes substâncias, é de extrema importância que haja um bom equilíbrio entre proteínas e hidrocarbonetos.

 

As assim chamadas fibras naturais são constituídas principalmente de celulose.

 

Todos os animais que tem um apêndice grande, devem ingerir grandes quantidades de fibras.  É natural então que a Chinchila deva comer feno rico em fibra.

 

Temos em geral, 3 tipos de feno usados na alimentação de Chinchila:

  • Alfafa,
  • Feno-Feijão lima,
  • Feno Timothy  e
  • Feno dos Pampas (USA)

A Alfafa ou Feno usados não podem ser tratados com inseticidas de espécie alguma, pois pode acarretar sérios prejuízos ao criador de Chinchilas.

 

A Provitamina A, Beta  Caroteno que no corpo é transformado em vitamina A, é encontrada em vegetais.

 

A função da vitamina A é de manter em ordem as mucosas, evitando assim as infecções bacteriológicas e a falta desta vitamina causa a degeneração do sistema nervoso, sendo os sintomas a paralisação das pernas, convulsões e modificações da córnea de ordem permanente.

 

Outros sintomas são o escorrer do nariz, forte lacrimejar, reabsorção do embrião, queda de fertilidade e a pouca produção do leite materno.  A vitamina A é armazenada no fígado dos animais.

 

A vitamina B-1 se encontra nos cereais não triturados, sendo que a falta desta vitamina causa a Polyneuritis ou convulsões e paralisia da parte posterior do corpo com distúrbios no sistema de equilíbrio.

 

A vitamina B-2  é como parte de uma enzima necessário para o processo de oxidação das células vivas, como para a transformação  do açúcar e do amido em energia.  A falta de vitamina B-2 causa distúrbios no aparelho digestivo, fraqueza geral, deterioração da vista e da pele, sintomas nervosos e diminuição da resistência contra eventuais doenças.

 

A falta de ácido Nicrotínico causa, apesar de raro e ser encontrado no trigo, no germe de trigo e no arroz, falta de apetite, forte diarréia ou doenças da pele.

 

A falta de ácido Pantotênico, contido na alfafa, germe de trigo e  arroz, causa deficiências no crescimento e doenças de pele.  O ácido Pantotênico pode ser produzido sob ação de bactérias no apêndice do animal.

 

A vitamina B-6 é necessária para a formação de enzimas.  Esta vitamina é indispensável para a absorção dos  Aminoácidos, agindo também na formação de hemoglobina no sangue.  A falta desta vitamina causa a falta de apetite, crescimento precário do animal, ataques ou convulsões, podendo causar ainda uma doença característica da pele.  Uma boa fonte desta vitamina é o grão de cereal.

 

A vitamina D é principalmente responsável pela constituição óssea do animal e ajuda no processamento do fósforo e do cálcio.  Cálcio e fósforo deveriam estar presente numa proporção 6:4.  O animal necessita de vitamina D principalmente durante o período de gestação.

 

Sobre a relação entre vitamina H (Biotina) e a Chinchila não se sabe muito.  Sabe-se no entanto, que é encontrada na alfafa e que sua falta proporciona uma doença na vista na qual lacrimeja muito e o pelo cai nas imediações do mesmo.

 

A vitamina E é necessária à procriação.  A insuficiência desta vitamina pode causar a reabsorção do feto, partos com problemas, lesões definitivas no aparelho reprodutor feminino, lesões nos filhotes.  A vitamina E é quimicamente vista distinguido por  Alfa-Tocoferol.  A diferencia se situa nas diferentes forças de atuação.  A Alfa-Tocoferol tem força de ação 1.000, enquanto que os outros dois tem força de ação 500 cada.

 

Com acetato de Alfa-Tocoferol temos conseguido resultados muito bons.  Ministrando o preparado em doses de acordo com o peso a 70 Chinchilas fêmeas iniciando 18 dias antes do parto até 12 dias após, o resultado foi um grande aumento de fertilidade.  As opiniões sobre a adição do antibiótico Aureomicina à ração, ainda divergem muito.  Nota-se que o estado geral de saúde dos animais é superior quando usado o já mencionado antibiótico.  Em outros animais notou-se um maior crescimento o que não é o caso nas Chinchilas.

 

 

Este trabalho, publicado em março de 1989 no Chinchila no Mundo  serve como exemplo da importância que tem a qualidade da ração ministrada as Chinchilas. Animais de qualidade, que produzem peles de qualidade requerem uma alimentação de qualidade.

 

Para voltar ao menú clique aqui

http://www.chinchilla.com.br/index.asp